quinta-feira, 2 de junho de 2011

Gato

Que fazes por aqui, ó gato?
Que ambiguidade vens explorar?
Senhor de ti, avanças, cauto,
meio agastado e sempre a disfarçar
o que afinal não tens e eu te empresto,
ó gato, pesadelo lento e lesto,
fofo no pelo, frio no olhar!

De que obscura força és a morada?
Qual o crime de que foste testemunha?
Que deus te deu a repentina unha
que rubrica esta mão, aquela cara?
Gato, cúmplice de um medo
ainda sem palavras, sem enredos,
quem somos nós, teus donos ou teus servos?


(Alexandre O'Neill)
Poesias Completas. 1951-1986







2 comentários:

GRAÇA disse...

Taruquinha, bom fim de semana
Ronrons da amiga
Kika

GRAÇA disse...

Taruca não queres ser minha amiga!
Porque?
Ficaste aborrecida de não teres ganho ...eu não tive a culpa não fui eu que votei..
Fico com muita pena pois estou a entrevistar os amiguinhos que entraram no concurso e queria te entrevistar,fico esperando que me digas alguma coisa..
Ronrons da
Kika

Enviar um comentário